Batismo - Sacramento e Normas

Normas para Batismo

CELEBRAÇÃO DE BATISMOS:

SÁBADO às 17h00 (limite de 12 crianças – consultar disponibilidade na Secretaria)
DOMINGO às 09h00 (limite de 06 crianças)

Inscrição para o Batismo: De 2ª a 6ª feira da semana do Batismo e até o limite de inscrições no horário das 08h00 às 12h00 e das 14h00 às 18h00.

Documentos necessários para a inscrição: cópia da Certidão de Nascimento da Criança (0 a 7 anos), cópia do RG dos Padrinhos maiores de 18 (dezoito) anos, batizados e católicos.

Formação de Pais e Padrinhos: No momento está sendo dispensado no período de pandemia.

Taxa: R$ 100,00 (cem reais)

BATIZADOS INDIVIDUAIS (favor verificar disponibilidade na Secretaria)

“Ide por todo o mundo, proclamai o Evangelho a toda criatura. Aquele que crer e for batizado será salvo; o que não crer será condenado” (Mc 16,15-16). Obedientes a este mandato do Senhor (Mt 28,19-20), os apóstolos batizavam os que acolhiam a Palavra (At 2,41; 8,12-38; 9,18; 10,48; 16,15.33; 18,8; 19,5). O batismo, em realidade ou ao menos em desejo, é necessário para a salvação (cf. cân. 849).

O Batismo (do grego, baptizein) quer dizer mergulhar. O mergulho nas águas batismais lembra o sepultamento do catecúmeno na morte de Cristo e seu nascimento como “nova criatura” (2Cor 5,17; Gl 6,15). O sacramento do batismo é também chamado “banho da regeneração e da renovação no Espírito Santo” (Tt 3,5).

O batizado renasce como filho de Deus e da Igreja (Gl 4,6), membro de Cristo (1Cor 6,15; 12,12-13) e templo do Espírito Santo (1Cor 3,16; 6,19), livre do pecado original e de todos os pecados pessoais.

O batismo imprime um caráter indelével da pertença a Cristo (cf. cân. 849), um sinal espiritual que nenhum pecado pode apagar. O batismo é dado para sempre e não pode ser repetido (cf. Catecismo da Igreja Católica, 1272).

Congregados em comunidade pelo batismo, os cristãos são instruídos na palavra de Deus, alimentados pela eucaristia e animados na prática da caridade e dos compromissos cristãos.

O batismo é o sacramento da resposta do ser humano à proposta de Deus, que inclui o compromisso de continuar a obra missionária de Jesus Cristo (Mt 28,19; At 5,42; LG 17). No batismo de criança, os pais e padrinhos dão, em seu nome, a resposta de fé e assumem o compromisso de educá-la na fé cristã.

O batismo torna o cristão sinal e instrumento de salvação no meio dos homens (1Pd 2,9; LG 9; GS 32.40). A vida divina que recebemos no batismo cresce e produz frutos quando assumimos o compromisso de seguir Jesus Cristo, no serviço, especialmente aos mais pobres, na abertura ao diálogo, na preocupação constante de anunciar a boa nova do reino de Deus e de testemunhar a todos a comunhão.

Pode ser batizada toda pessoa ainda não batizada e somente ela (cf. cân. 864).

A Igreja sempre batizou crianças e adultos. A prática de batizar crianças é atestada explicitamente desde o segundo século. Mas é bem possível que desde o início da pregação apostólica, quando “casas” inteiras receberam o batismo, também as crianças fossem batizadas (cf. At 10, 44-48).

Nascidas com uma natureza humana decaída e manchada pelo pecado original, as crianças precisam do novo nascimento no batismo, a fim de serem libertadas do poder das trevas e transferidas para o domínio da liberdade dos filhos de Deus.

Toda criança tem direito ao sacramento do batismo, independentemente da situação civil dos pais (solteiros, amasiados, separados ou divorciados), mediante o compromisso dos pais e padrinhos de assumirem a formação cristã da criança.

Filhos de pais que não têm a mesma religião, sendo um deles católico e o outro não, podem ser batizados mediante pedido do casal ou apenas da parte católica.

Uma criança não batizada, a partir dos 9 (nove) anos, só pode ser aceita para o batismo após receber instrução (Formação para a Primeira Eucaristia) sobre as principais verdades da fé, a pessoa de Jesus Cristo e o significado deste sacramento. O tempo da preparação é de 01 (um) ano.

Cabe aos padrinhos, tanto quanto possível, acompanhar o batizando adulto na iniciação cristã e, junto com os pais, apresentar ao batismo o batizando criança (cf. cân. 872).

Habitualmente, a escolha recai sobre um padrinho e uma madrinha; podendo-se também admitir apenas um padrinho ou uma madrinha (cân. 873).

A escolha do padrinho ou madrinha deve ser feita pelos pais ou responsáveis pela criança.

  1. Se for adulto, cabe ao batizando a escolha.
  2. Em situações extraordinárias de falta de padrinho, o ministro do batismo pode também proceder à escolha.

O padrinho ou a madrinha não pode ser o pai nem a mãe do batizando.

Deve ser católico crismado, fiel aos preceitos da Igreja e ter 18 anos completos.

NÃO ACEITAMOS PADRINHOS DE REPRESENTAÇÃO

Os pais, quando pedem o batismo para a criança, estão pedindo para ela também a fé, como aparece no rito de acolhida do batismo. Em vista da responsabilidade que assumem, devem ser adequadamente preparados pela comunidade.

A preparação para o batismo seja feita de preferência na paróquia da qual participam os pais e os padrinhos, territorial ou de afinidade. A preparação se faz na comunidade, fora dos momentos de celebração, reunindo várias famílias e padrinhos das crianças que serão batizadas.

O Dízimo é a expressão de fé e de amor. É sinal de gratidão.